domingo, 30 de dezembro de 2007

Pau na JBC!

A pedidos dos meus leitores (ou seja, ninguém), resolvi apontar meu dedo a um podre que incomoda na editora JBC. A princípio o objetivo deste blog é relatar os problemas de comunicação entre leitores e editores da Panini do Brasil, mas não poderia ignorar tamanho descaso com o leitor e, principalmente, com o potencial autor de quadrinhos nacionais.

Estava eu visitando a página da JBC voltada especialmente aos leitores de sua linha de quadrinhos japoneses (http://henshin.uol.com.br/, visitada em 22 de dezembro de 2007) quando vejo o anúncio de um concurso para a escolha de novos talentos.




Nossa, me impressionou tal anúncio, ainda mais ao lado da propaganda de uma das publicações na editora – de um guia sobre como desenhar no estilo mangá. Pensei em minha inocência, “puxa, finalmente uma atitude séria de uma editora nacional, que legal...! Um ato de coerência editorial, finalmente...afinal, já houve uma tentativa frustrada de lançar o gibi dos Combo Rangers, pelo menos desta vez a JBC está acertadamente promovendo uma seleção democrática de material, estimulando e valorizando nosso produto em potencial.”. Mas isso só durou até verificar do que se tratava:





O anúncio tratava-se de um concurso da Norma editorial, da Espanha. Agora parem para analisar: qual o sentido da manutenção do site de uma editora? Para dar notícias bobas, sem sentido, sobre um Japão distante e inalcançável? Por que a editora JBC lança um manual de “Como desenhar mangá” (dois, na verdade, pertencentes a uma série enorme, que nos EUA passam dos 40 volumes) se não pretende aproveitar um retorno de seus leitores para criar novos autores em nosso país? Quais são os critérios de publicação da editora JBC? O que fez Fábio Yabu para publicar lá?




Isso sem falar na maior burrada editorial da Panini do Brasil, a qual nem me lembrava mais: Combo Rangers, de Fábio Yabu! Tratando-se de um clone dos inúmeros, lixosos, e eternamente recicláveis tokusatsus (como são conhecidos os seriados para crianças do tipo “Power Rangers”), MAS COM MUITAS PALMINHAS DE ALGUNS DESACEREBRADOS DA INTERNET, e mesmo matéria no “Jornal Hoje” da Rede Globo, Yabu conquistou lá seu espacinho na JBC, sabe-se lá como. Depois de 9 edições, o título foi cancelado no meio da história (traduzindo: vendas baixas). Nosso anti-herói dos quadrinhos no Brasil resolveu bater em qual porta? Panini do Brasil! Que sem uma consulta às distribuidoras de revistas para verificar o retorno de vendas do projeto do autor em quesão, resolveu investir em mais 3 ou 4 exemplares da história horrorosa. E amargou prejuízo!

É visível que a tanto JBC quanto Panini não se importam com seus leitores, não os ouvem, e decidem por NÓS, que pagamos os salários DELES.

Agora, me dêem licença que vou lá fora gritar de raiva.

2 comentários:

Hotaru Tomoe disse...

É triste saber que uma grande editora como a Jbc nos menospreza e nos ignora, e esqueçe que quem fez ela ser o que ela é hoje somos nós leitores.A Jbc se diz valorizdora da cultura japonesa mas aboliu os sufixos japoneses e o pobre manjuu.
Rezo todos os dias para que uma alma caridosa exploda a Jbc e assasine o Marcelo del Greco

Gabriela Iscariotes disse...

Eu tenho um dos livros dessa coleção de guias de desenho que a JBC acabou de publicar (compraram no Japão e me deram de presente). Pelo que saquei, a tal coleção tem muita coisa boa (desde explicações de coisas bem básicas, das mais bobas às mais complexas- como perspectiva- de forma fácil para iniciantes) como coisas horrorosas a la "ao desenhar garotas, faça-as sempre assim, assim e assado", que ensinam clichê atrás de clichê.

Bem, essa notícia aí só mostra a grande inutilidade que é o site da JBC (e creio que o grosso das outras editoras não é muito diferente).

A propósito, alguma novidade sobre o recall porco da Panini?

E mais uma notícia sobre cagadas de editora: a edição 67 de One Piece, que era pra ter saído em outubro, também não veio em janeiro (não aparece no checklist da editora).